terça-feira, 24 de março de 2009

Afinal


"Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz"

Charles Chaplin

5 comentários:

Ianita disse...

... havia outra? :)

Sam disse...

Ele era um HOMEM LIVRE!!
Bejinho muito doce Pankekinha!

Pedro Barata disse...

Sorrir sempre. Seremos mais felizes assim!!!

Silvia disse...

Não vás para tão longe!
Vem sentar-te
Aqui na chaise-longue, ao pé de mim...
Tenho o desejo doido de contar-te
Estas saudades que não tinham fim.

Não vás para tão longe;
Quero ver
Se ainda sabes olhar-me como d'antes,
E se nas tuas mãos acariciantes,
Inda existe o perfume de que eu gosto.

Não vás para tão longe!
Tenho medo
Do silêncio pesado d'esta sala...
Como soluça o vento no arvoredo!
E a tua voz, amor, como se cala!

Não vás para tão longe!
Antigamente,
Era sempre demais o curto espaço
Que havia entre nós dois...
Agora, um embaraço,
Hesitas e depois,
Com um gesto de tédio e de cansaço,
Achas inconveniente
O meu abraço.

Não vás para tão longe!
Fica. Inda é tão cedo!
O vento continua a fustigar
Os ramos sofredores do arvoredo,
E eu ponho-me a pensar
E tenho medo!

(...)

Céu apagado, negro, pessimista,
E tu sempre mais longe!...

"Fernanda de Castro"

Silvia disse...

All around me are familiar faces
Worn out places
Worn out faces

Bright and early for their daily races
Going nowhere
Going nowhere

Their tears are filling up their glasses
No expression
No expression

Hide my head i want to drown my sorrow
No tomorrow
No tomorrow

And i find it kind of funny
I find it kind of sad
The dreams in which i´m dying
Are the best i´ve ever had
I find it hard to tell you
Cuz I find it hard to take
When people run in circles
It's a very very
Mad world